Blog A Retransmissão Privada do iCloud: O que isso significa para os profissionais de marketing no iOS 15

A Retransmissão Privada do iCloud: O que isso significa para os profissionais de marketing no iOS 15

Um dos anúncios mais importantes feitos este ano no Worldwide Developers Conference, e entre as atualizações mais notáveis planejada para o iOS 15, é o iCloud+ Retransmissão Privada da Apple. Apesar de não ser tão transformadora para a indústria quanto o AppTracking Transparency (ATT), o requisito de consentimento do usuário e a reintrodução da SKAdNetwork que definiram o iOS 14, a Retransmissão Privada é mais um passo na missão da Apple de priorizar a privacidade do usuário em dispositivos iOS. Atualmente em beta público em algumas regiões, a Retransmissão Privada deve ser totalmente implementada com uma atualização posterior no iOS 15.

O que é a Retransmissão Privada do iCloud?

A Retransmissão Privada foi criada para impedir o rastreamento de usuários do iOS no Safari. Redirecionando todo o tráfego de rede por meio de servidores, o endereço IP é ocultado, o que significa que ele não pode ser rastreado e que não é possível criar perfis de usuários com base no comportamento e na navegação deles. Esse recurso está disponível para usuários que assinaram o iCloud+, ao lado de recursos de privacidade premium, incluindo Ocultar Meu E-mail (que permite que os usuários ocultem seu endereço de e-mail com um e-mail gerado ao preencher um formulário online).

Embora a Retransmissão Privada possa ser confundida com uma Rede Privada Virtual (VPN), sua função é completamente diferente. As VPNs ocultam a localização do usuário — a Retransmissão Privada bloqueia o rastreamento realizado por sites ocultando o endereço IP do usuário.

Outro ponto interessante para os profissionais de marketing em relação ao iOS é que aqueles que não participam no beta ou para os usuários que não assinam o iCloud+ e/ou potencialmente fazem o opt-in, a Apple continua impedindo o rastreamento de pixels para todos os usuários do iOS dentro do aplicativo Apple Mail. Dentro do aplicativo do Safari, os endereços IP dos usuários do iOS também serão ocultados de trackers de terceiros, o que significa que eles não podem mais ser usados como um identificador quando o usuário clica em um conteúdo no Safari a partir de um e-mail.

Como a Retransmissão Privada funciona?

Quando um usuário navega na internet usando um aplicativo como o Chrome ou o Safari, ele está "aberto" — não seguro nem privado. Uma trilha de comportamentos e eventos é deixada para trás em forma de dados, que são usados por diversos trackers de terceiros para formar identidades de usuários. Segundo a Apple, esse rastreamento não foi consentido, e com a Retransmissão Privada, ninguém, nem a Apple, pode ver ou coletar essas informações. O endereço IP é uma dessas informações que pode ser coletada, e a Retransmissão Privada substitui o endereço IP real por um aleatório atribuído de uma gama. O endereço IP atribuído "retransmitido" também pode ser compartilhado entre mais de um de usuário da Retransmissão Privada dentro da mesma área, o que significa que quando as redes recebem um endereço IP, ele corresponde a certa área ou cidade por padrão. Isso significa que as redes podem receber a informações sobre a localização e que restrições geográficas não são implementadas (assim como com VPNs e bloqueio de IP).

Usando um sistema de dois proxy, cada proxy (um mecanismo para ocultar o que o usuário está pesquisando) dirige e protege o tráfego. O endereço IP do usuário só será acessível pelo provedor de rede e pelo primeiro proxy. O segundo proxy obtém acesso ao nome do site que o usuário pesquisou, por meio do qual ele pode fazer a conexão com o servidor. Duas entidades não podem ver o endereço IP e pesquisar o nome, o que significa que o perfil do usuário não pode ser criado.

O que isso significa para os anunciantes e a atribuição?

A Apple tem sido consistente em relação à sua posição em relação ao fingerprinting, que é classificado como uma forma de rastreamento. A Retransmissão Privada é amplamente considerada o próximo passo na prevenção contra esse método de atribuição, que não é permitido em usuários com opt-out desde o lançamento do ATT com o iOS 14.5 em abril. Testes em andamento com a versão beta do iOS 15 da Retransmissão Privada estão ajudando a descobrir algumas questões importantes, incluindo o que a Apple considera um tracker de terceiros, se trackers internos serão permitidos (para o marketing em mídia própria) ou se eles serão aplicados universalmente.

Embora as respostas para essas perguntas ainda estejam aberta e sujeitas a mais testes, restrições na disponibilidade dos endereços IP serão implementadas. Para anunciantes e profissionais de marketing, não é mais viável usar o fingerprinting e métodos que utilizam o endereço IP e outros dados do dispositivo, apesar da falta de uma imposição firme. No final das contas, o que a Retransmissão Privada significa é que a Apple leva a sério a sua abordagem da privacidade do usuário e do uso de dados.

A Adjust tem trabalhado estreitamente com a Apple e aderiu rigorosamente os requisitos para a privacidade do usuário. Leia mais sobre as boas práticas para trabalhar com a SKAdNetwork aqui, e fique por dentro das nossas últimas novidades, anúncios de produtos e pensamento de liderança no nosso centro de recursos para o iOS 14 aqui.

Quer receber as últimas novidades da Adjust?